quinta-feira, 21 de abril de 2011

E no final... Portugal (I)

E chegamos a Portugal.
A minha ida a Portugal não tinha a ver com turismo.
Eu conheci Portugal em 1997 quando passei 2 meses lá.
A minha ida a Portugal tinha, e tem sempre, a ver com a família
linda que eu descobri e conheci lá.
São tios e primos maravilhosos pelos quais tenho um carinho tão grande,
tão grande, que sempre me emociono ao pensar neles.
Mas antes, uma parada especial... Desembarcamos no Porto,
ponto de partida para encontrar a aldeia onde a minha mãe nasceu
e que não está no mapa. Aluguei um carro pela Hertz, como eu já
tinha feito na França. Esqueci de dizer que fiz as reservas pela
internet, e foi tudo muito simples. Em Portugal, peguei o carro no
aeroporto mesmo, às 23 horas, horário em que desembarcamos
em terras lusitanas. 3 horas depois, chegamos ao hotel. Que era
pertíssimo, mas quem disse que eu encontrava a saída da autoestrada?
Tive que voltar ao aeroporto umas 3 vezes e fazer o caminho de
novo, e de novo, e de novo... até acertar. Mas tudo deu certo.
No dia seguinte levantamos cedo e seguimos. Primeiro para Mirandela,
uma das maiores cidades da região trasmontana e da qual minha mãe tinha
alguma lembrança... e, o mais importante... estava no mapa.
De lá fomos seguindo placas e lembranças. E chegamos a
Macedinho. Foi muito emocionante, pois minha mãe viu,
depois de 50 anos, a casa onde nasceu, a igreja onde foi batizada, e,
apesar de parecer uma cidade fantasma (pois não tinha vivalma nas ruas,
e depois entendi que era porque era hora da sesta), encontramos com
uma colega dela da época do colégio.

E é em homenagem a ela, que me aturou por 50 dias, inteiros e consecutivos,
mais 38 anos, que escrevo, hoje, este post...


Em Mirandela, a lavanda que não encontrei na Provence

A casa onde minha mãe nasceu

A igreja onde foi batizada

Finalmente a placa

2 comentários:

  1. Oi Cristiana!
    Que viagem interessante, deve ter sido muito emocionante para sua mãe! Ir ao encontro das raizes é sempre uma viagem carregada de muitas emoções. Parabéns para você que proporcionou isso para ela! Bjo

    ResponderExcluir
  2. Oi Valéria.
    Foi emocionante mesmo...
    Nem eu achei que seria assim.
    Obrigada.
    Beijo grande.

    ResponderExcluir