sexta-feira, 29 de abril de 2011

Rapidinhas

Bem, como todo mundo deve ter acompanhado, hoje foi o casamento,
tão esperado, de William e Kate.
Eu assisti.
Levantei um pouquinho antes das 7 e vi desde a entrada na igreja até a despedida na sacada.
Adorei. Tudo. Linda, linda, linda.
Me emocionei.
Assisti ao casamento da Diana em 1981.
Estava em Portugal em 1997 quando ela morreu.
Não poderia perder este.


Não vou entrar em detalhes, pois existem muitos blogs e sites especializados fazendo
os comentários pertinentes. Mas eu adorei, mesmo, muito.

Dia 09 de janeiro publiquei o primeiro post deste blog.
3 meses e um pouquinho... E hoje aconteceu a  milésma visualização...
1000 vezes o meu blog foi visto, acessado , lido... Emoção.
Muito obrigada a todos que passam por aqui todos os dias e compartilham
das minhas realizações, dos meus sonhos, do meu dia, da minha vida...

Em breve, mais viagens e o meu casamento.
Talvez um pouco mais de divagações e desabafos...
E as minhas 2 gatas que faltam ser apresentadas.

Mais uma vez, MUITO OBRIGADA pelo carinho, pelas visitas,
pelos comentários e pelas lembranças.


sexta-feira, 22 de abril de 2011

Em casa... Estudando

Pois é... estou na faculdade...
Não pós-graduação, não... Graduação mesmo.
Eu fiz faculdade de Administração no Mackenzie, de 1991 a 1995, mas
não cheguei a me formar... Fui até o final, mas era necessário estágio probatório
para a conclusão, que eu não consegui fazer por conta do emprego que eu tinha
na época.
Em 1998 eu passei em um concurso público, onde estou até hoje, e os estudos
ficaram em  terceiro, senão em quarto plano...
No meio do ano passado eu consegui que a empresa me pagasse o curso, por
conta de um programa de incentivo, e cá estou eu...
Este semestre, as minhas provas acontecem de 30/05 a 10/06. Se o aluno não
consegue a média, ainda tem uma segunda chance, de 20 a 24/06.
Mas eu sou tão confiante, tão confiante, que já tenho 2 viagens marcadas:
uma com meu marido, para a Argentina de 15 a 21/06 e outra com uma amiga,
para Paris, embarcando dia 24/06. Ou seja, eu não tenho a segunda chance...
Tenho que conseguir a média de primeira ou então ficar de DP.
Por isso, eu já tô estudando, mesmo nesse feriadão...
Ou pelo menos, tentando... Vejam se eu posso:




Uma ótima Pascoa para todos.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

E no final... Portugal (I)

E chegamos a Portugal.
A minha ida a Portugal não tinha a ver com turismo.
Eu conheci Portugal em 1997 quando passei 2 meses lá.
A minha ida a Portugal tinha, e tem sempre, a ver com a família
linda que eu descobri e conheci lá.
São tios e primos maravilhosos pelos quais tenho um carinho tão grande,
tão grande, que sempre me emociono ao pensar neles.
Mas antes, uma parada especial... Desembarcamos no Porto,
ponto de partida para encontrar a aldeia onde a minha mãe nasceu
e que não está no mapa. Aluguei um carro pela Hertz, como eu já
tinha feito na França. Esqueci de dizer que fiz as reservas pela
internet, e foi tudo muito simples. Em Portugal, peguei o carro no
aeroporto mesmo, às 23 horas, horário em que desembarcamos
em terras lusitanas. 3 horas depois, chegamos ao hotel. Que era
pertíssimo, mas quem disse que eu encontrava a saída da autoestrada?
Tive que voltar ao aeroporto umas 3 vezes e fazer o caminho de
novo, e de novo, e de novo... até acertar. Mas tudo deu certo.
No dia seguinte levantamos cedo e seguimos. Primeiro para Mirandela,
uma das maiores cidades da região trasmontana e da qual minha mãe tinha
alguma lembrança... e, o mais importante... estava no mapa.
De lá fomos seguindo placas e lembranças. E chegamos a
Macedinho. Foi muito emocionante, pois minha mãe viu,
depois de 50 anos, a casa onde nasceu, a igreja onde foi batizada, e,
apesar de parecer uma cidade fantasma (pois não tinha vivalma nas ruas,
e depois entendi que era porque era hora da sesta), encontramos com
uma colega dela da época do colégio.

E é em homenagem a ela, que me aturou por 50 dias, inteiros e consecutivos,
mais 38 anos, que escrevo, hoje, este post...


Em Mirandela, a lavanda que não encontrei na Provence

A casa onde minha mãe nasceu

A igreja onde foi batizada

Finalmente a placa

domingo, 10 de abril de 2011

Amsterdam

Quase chegando ao final da minha odisséia.
Chagamos a Amsterdam de Bruxelas, ainda de trem.
A cidade é uma graça, mas eu fiquei um pouco decepcionada com o lixo que vi,
tanto nas ruas quanto no canais. Uma pena.
Fizemos um passeio de barco pelos canais, que vale a pena.
Centenas de casas-barco. Algumas lindas.


As bicicletas...



Como eu já disse antes, não sou uma pessoa de museus,
então em Amsterdam não fomos a nenhum...
Me concentrei em andar pelas ruas e pelo que eu achava que
era o diferencial da cidade, os canais...





No segundo dias, fizemos uma passeio para fora da cidade para conhecer os moinhos.
Juro que quando eu lembrar o nome da cidade eu volto aqui para atualizar.
O passeio eu agendei direto no hotel no dia da chegada, e no dia seguinte
vieram nos buscar. Fomos de ônibus. A guia falava em inglês e mais uma vez
eu tive que ir traduzindo pra minha mãe. Foi muito interessante ouvir
sobre o país, de como fizeram para drenar água e criar campo para construir
e plantar. Fomos também até uma fábrica de tamancos e de queijos.
Super turístico, mas muito legal.





Daqui seguimos de avião para o Porto em Portugal.
E acho que no aeroporto de Amsterdam passei pela situação mais
embaraçosa, dramática e divertida da viagem.
Acontece que, quando saímos do Brasil, saímos cada uma com uma mala de mão
e as 2 malas despachadas tinham cerca de 18kg cada uma.
Eu sabia que cada uma podia viajar com 2 malas, mas eu não lembrava já com
certeza do peso. Ou eram 23 ou 32 kg (eu sempre acabo invertendo).
Muito bem, chegamos ao Aeroporto, graças a Deus, com umas 3 horas
de antecedência e 2 malas cada uma. Ao passar pelo check in, a atendente me diz
que só era permitido 1 mala despachada por passageiro. Isso realmente é verdade
pois as viagens dentro da Europa são consideradas domésticas.
Mas eu sabia que isso não se aplicava a nós, e até por isso,
ao comprar as passagens, optei por não comprar os trechos internos com
empresas low cost. Mas a atendente não acreditava em mim, apesar de eu dizer
que eu tinha saído do Brasil. Depois de muito tempo, outra atendente resolveu checar
o meu bilhete  e viu que eu realmente tinha razão e que eu tinha mesmo
direito a 2 malas de 23 kg cada. Não satisfeita, como
eu tinha uma mala com mais e outra com menos, ela me fez abrir
todas as malar e realocar a bagagem de modo que eu ficasse
com no máximo 23kg nas malas. No meio do aeroporto.
No final deu tudo certo. Depois ainda consegui checar com a TAP que,
na verdade, eu tinha direito a 2 malas de 32kg...

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Hoje é o casamento da DANI!!!

Hoje é o dia do casamento da Dani e do Higor.
Conheci a Dani (pessoalmente, pois o blog dela eu já acompanhava) em um
dos Saraus oferecidos pela Fê Floret.
É uma fofa, querida demais...
Ela inclusive fez um post sobre o meu casamento.
Pra quem quiser ver algumas fotos, já que eu não chego nunca no assunto "casamento",
pode aproveitar e dar uma olhadinha aqui.

DANI, que este dia seja muito especial!!!
Que Deus abençõe muito vocês.



A foto, LINDA, eu roubei lá do blog da Dani, nem sei se podia...

Em Bruxelas

Eu ainda não tinha uma opinião formada sobre Bruxelas.
Mas ao escrever este post e lembrar dos dias que estive lá,
cheguei a conclusão... Bruxelas vale sim a visita.
Hoje me arrependo um pouco por não ter explorado mais a cidade.
Acabei me concentrando muito na Grand Place,
que é a praça central, com construções super antigas.
É uma praça lindíssima, super agradável, onde é proibida a entrada de carros.
Mas senti falta de bancos, por exemplo, para sentar e simplesmente admirar.
Ou você sentava em mesas de um dos restaurantes, ou sentava no chão mesmo.
Coisa que a minha mãe, por exemplo, não podia fazer (senão não levantava depois...)
Quanto ao resto da cidade, fiz um passeio com aqueles ônibus turísticos.
A cidade é super limpa, organizada, calma... Uma graça.
Mesmo não havendo muito o que fazer, acho que vale uma parada de uns 2 dias para
conhecer a capital da Comunidade Européia.


Grand Place

As pessoas sentadas no chão

Eu estava louca para ver a praça de noite,
mas não anoitecia nunca.
Aqui, já eram 10 da noite.




Tinha programado de passar um dia em Brugge, que dizem valer muito a pena.
Mas acabei optando por não ir e realmente não acho ter tomado a
decisão correta, pois não sei quando terei outra chance de voltar à Bélgica...